Algumas plantas do estuário

As plantas do sapal, silenciosas prestam serviços insubstituíveis: retiram nutrientes que sobrecarregam a água e proporcionam esconderijos preciosos para peixes que no mar aberto depressa morreriam.
Ainda assim, é certo que ao entrar na Reserva Natural Local do Estuário do Douro

vai de vista apontada às aves selvagens que ali pousam, mas mais discreta e igualmente interessante é a vegetação presente.

Os nichos que cada espécie ocupa são definidos sobretudo pela salinidade e pelo solo onde trabalha o sistema radicular, juntando-se o gradiente vertical ditado pelas marés.


Os dois grandes espaços que se distinguem nesta reserva são o da vegetação do sapal, mais húmido, que fica à frente do observatório mais à esquerda de quem entra no passadiço suspenso, e o ambiente dunar claramente mais seco, onde a areia retém menor teor de humidade.


O sapal desta reserva espelha as características do Norte litoral, onde abunda a chuva ao longo do ano, face aos sapais do Sul. Este facto influi sobre o teor de salinidade da água, diminuindo-o, o que faz com que os juncais ganhem maior expressão.


Há plantas que sobrevivem em meio de grande salinidade, como é o caso da verdoega-marinha, Halimione portulacoides, que ao aproveitar a água salobra captada pelas raízes chega a excretar sal pelas próprias folhas.
O sapal é uma excelente maternidade para pequenos peixes que no mar não se conseguiriam esconder dos predadores. Aqui, levam vantagem superlativa entre os inúmeros caules imersos nesta zona húmida.
Fora da rotina das marés mais corriqueiras existem por sua vez as dunas, com desafios enormes para plantas especializadas, com raízes muito longas quando comparadas com a parte aérea que apresentam.
Merece destaque o botão-das-dunas, que só existe nas dunas costeiras do litoral Norte português, do Minho à Beira Litoral, bem como o ouriço-das-dunas, Centaurea sphaerocephala, endémica do litoral Oeste e Sul da Península Ibérica. Juntam-se-lhes muitas outras plantas que sabem lidar sobremaneira com o difícil solo feito de areia, como o feno-das-areias, o lírio-das-praias, o cardo-marítimo e muitos outras espécies, à espera da sua visita.

Verdoega-marinha, Halimione portulacoides
Junco-das-esteiras, Juncus maritimus
Junça-marítima, Bolboschoenus maritimus

 

Câmara Municipal de Gaia

Rua Álvares Cabral 4400-017 Vila Nova de Gaia

Contactos

Parque Biológico de Gaia

R. Cunha, 4430-812 Avintes, Vila Nova de Gaia, Portugal

© 2018 Municipio de Gaia. Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Municipio de Gaia

 

Câmara Municipal de Gaia

Rua Álvares Cabral 4400-017 Vila Nova de Gaia