Voltar à página inicial |

 

Concurso Nacional de Fotografia da Natureza «Parques e Vida Selvagem»

 

 

 

Já vai na 15.ª edição e prepara-se agora para acolher, quem sabe, as suas melhores fotografias!

O Concurso Nacional de Fotografia "Parques e Vida Selvagem" destina-se quer a fotógrafos amadores quer a profissionais e prevê, desta vez, diversos prémios atrativos correspondentes a cinco categorias enunciadas no regulamento.
Para saber tudo deve lê-lo. Regulamento!

Fora isso, o prazo para poder enviar as suas fotografias nas condições regulamentares termina em 30 de abril e a entrega dos prémios distinguidos pelo júri está marcada para sábado, 2 de junho de 2018, às 15h00, no salão de fotografia da natureza do Parque Biológico de Gaia, altura em que abre também a exposição de algumas dezenas de trabalhos dos concorrentes.

Os prémios da edição de 2017 foram estes:




Prémio na categoria OLHAR CRIATIVO
«Osga» de João Petronilho

Prémio na categoria FAUNA
«Quando o sol desaparece»
de Manuel Malva

Prémio na categoria FLORA, LÍQUENES E FUNGOS – «Musgo» de Luís Pinheiro Torres



Prémio na categoria PAISAGEM
«Manhã» de Pedro Esteves
Prémio na categoria JOVEM
FOTÓGRAFO vencedora ex aequo
«A ginasta» de Marta Lopes
Prémio na categoria JOVEM
FOTÓGRAFO vencedor ex aequo
«À hora de almoço» de Tiago Lopes

 

 

A fotografia da natureza é uma das formas de dar a conhecer o património natural do país, fazendo com que daí derive uma maior compreensão no sentido de o conservar.

 

Nota - Quando alguém se envolve na fotografia da natureza, deve trazer consigo a ideia de desfrutar de um passeio ao ar livre e não deixar ali mais do que leves pegadas.
O respeito pelo sítio, pelos habitats e pelos seres vivos que, quase sempre, são o principal motivo da fotografia é um pressuposto.
A noção prévia das principais características do local de obtenção de imagens, do comportamento e da sensibilidade dos seres vivos, ajuda sobremaneira a cumprir aquilo que se acabou de escrever.
O ciclo de vida próprio de cada espécie deve ser respeitado, sem qualquer beliscão.
Se houver sinal de stress, não insistir. Há distâncias-limite a respeitar.
É elevada a fragilidade dos habitats da vida selvagem.
Nesta atividade, ofereça o seu próprio exemplo a quem quer que o observe e explique sempre que possível o fundamento de se ter presente uma conduta ética quando se propõe fotografar a natureza.


Parque Biológico de Gaia

4430-681 Avintes

Tel. 22 787 81 20 | geral_pbiologico@cm-gaia.pt