Voltar à página inicial |

 

Concurso Nacional de Fotografia da Natureza «Parques e Vida Selvagem»

 

 

 

O Júri do Concurso Nacional de Fotografia «Parques e Vida Selvagem» (edição de 2017) — J. Paulo Coutinho, Vítor Sousa e Henrique N. Alves — apreciou as fotografias apresentadas a concurso e selecionou algumas para exposição, distinguindo de entre centenas de trabalhos os seguintes:

Prémio na categoria OLHAR CRIATIVO – «Osga» de João Petronilho.
Prémio na categoria FAUNA – «Quando o sol desaparece» de Manuel Malva.
Prémio na categoria FLORA, LÍQUENES E FUNGOS – «Musgo» de Luís Pinheiro Torres.
Prémio na categoria PAISAGEM – «Manhã» de Pedro Esteves.
Prémio na categoria JOVEM FOTÓGRAFO para jovens concorrentes, até aos 15 anos: vencedores ex aequo «A ginasta», de Marta Lopes, e «À hora de almoço» de Tiago Lopes.

A abertura da exposição com a entrega dos prémios decorreu sábado, dia 4 de novembro, pelas 15h00, no salão de fotografia da natureza do Parque Biológico de Gaia.

 




Prémio na categoria OLHAR CRIATIVO
«Osga» de João Petronilho

Prémio na categoria FAUNA
«Quando o sol desaparece»
de Manuel Malva

Prémio na categoria FLORA, LÍQUENES E FUNGOS – «Musgo» de Luís Pinheiro Torres



Prémio na categoria PAISAGEM
«Manhã» de Pedro Esteves
Prémio na categoria JOVEM
FOTÓGRAFO vencedora ex aequo
«A ginasta» de Marta Lopes
Prémio na categoria JOVEM
FOTÓGRAFO vencedor ex aequo
«À hora de almoço» de Tiago Lopes

 

 

Trabalhos selecionados para exposição:

«Manta de retalhos» de João Petronilho
«Descanso merecido» de Vasco Amorim
«Pequeno Tritão» de Christine Blanchin dos Santos
«Borboleta (Thymelicus acteon)» de Manuel Alberto Novo
«Pétala sobre Pétala» de André Borges
«Habitantes da noite» de Manuel Malva
«O jardim» de Gabriel Moreira
«Anjo da guarda-rios» de António M. Silva Cruz
«O solitário» de António Tedim
«Habitante da floresta» de Maria Augusta Almeida Pinto
«Afeto» de Gabriel Moreira
«Captada no Estuário do Douro» de Luís Pinheiro Torres
«Cravo-das-areias» de Filipe Teixeira
«Cenoura-brava» de Manuel Alberto Novo
«Espaço e Natureza» de Vasco Amorim
«O ataque do açor» de Manuel Malva
«Decadência e movimento» de Manuel Malva
«Cambraia» de Maria Augusta Almeida Pinto
«No silêncio da noite» de Sara Barros
«Trepadeira-comum» de Luís Pinheiro Torres
«Tarambola-dourada» de Manuel Alberto Novo
«No silêncio da noite - o teu olhar» de António M. Silva Cruz
«Abraço» de Manuel Malva
«Natrix maura» de Maria Augusta Almeida Pinto
«David e Golias» de Manuel Alberto Novo
«Elegância nos movimentos» de Ana Catarina Matos
«Despontar» de Sara Barros
«Chegou o Outono» de João Coutinho
«Padrões da noite» de Manuel Malva
«Dragonfly» de Miguel Olavo Ferreira
«Floresta dos sonhos» de João Ricardo Faria Baptista
«Fuga» de José António F. Guimarães
«Um equilíbrio delicado» de João Ricardo Faria Baptista
«Ao fim do dia» de Ana Carolina Santiago
«Do arrependimento à esperança» de António J. T. Rodrigues
«O bosque colorido» de Marco Gil
«Asas são para voar» de Anabela Dias Luís

 

O júri salientou a importância deste certame na panorâmica da Fotografia da Natureza em Portugal.

 

A fotografia da natureza é uma das formas de dar a conhecer o património natural do país, fazendo com que daí derive uma maior compreensão no sentido de o conservar.

Regulamento!

 

Nota - Quando alguém se envolve na fotografia da natureza, deve trazer consigo a ideia de desfrutar de um passeio ao ar livre e não deixar ali mais do que leves pegadas.
O respeito pelo sítio, pelos habitats e pelos seres vivos que, quase sempre, são o principal motivo da fotografia é um pressuposto.
A noção prévia das principais características do local de obtenção de imagens, do comportamento e da sensibilidade dos seres vivos, ajuda sobremaneira a cumprir aquilo que se acabou de escrever.
O ciclo de vida próprio de cada espécie deve ser respeitado, sem qualquer beliscão.
Se houver sinal de stress, não insistir. Há distâncias-limite a respeitar.
É elevada a fragilidade dos habitats da vida selvagem.
Nesta atividade, ofereça o seu próprio exemplo a quem quer que o observe e explique sempre que possível o fundamento de se ter presente uma conduta ética quando se propõe fotografar a natureza.


Parque Biológico de Gaia

4430-681 Avintes

Tel. 22 787 81 20 | geral_pbiologico@cm-gaia.pt